Por filmes No site

Prêmios

O Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo conta com a participação do público e de júris especializados para escolher os filmes favoritos da programação. Os escolhidos recebem uma ampla gama de incentivos, prêmios e troféus, oferecidos por nossos parceiros, apoiadores e patrocinadores.

CONHEÇA NAS PÁGINAS A SEGUIR OS PRÊMIOS DESTA EDIÇÃO.

Prêmio Revelação
  • O Prêmio Revelação tem como objetivo incentivar os jovens talentos do audiovisual brasileiro em sua próxima produção, da gravação até a finalização de um curta-metragem de até 15 minutos. Para isso, o Festival estabelece parcerias com empresas do setor, que indicam um júri de jornalistas e oferecem recursos para essa nova empreitada.Concorrem ao Prêmio Revelação os diretores de curtas brasileiros realizados em cursos de cinema ou audiovisual exibidos na Mostra Brasil, Panorama Paulista e Cinema em Curso. A seleção também leva em conta um roteiro de até 15 páginas enviado pelos realizadores, expondo o argumento de seu próximo projeto.O curta-metragem viabilizado pelo Prêmio Revelação tem o compromisso de estrear no 30º Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo.


    FILME CONTEMPLADO:
    O ARCO DO MEDO, de Juan Rodrigues (BA)
    Projeto "O Arco do Tempo"

Prêmio Itamaraty para o Curta Metragem Brasileiro
  • O Prêmio Itamaraty para o Cinema Brasileiro, instituído pelo Ministério das Relações Exteriores em 2006, visa incentivar a produção cinematográfica brasileira e sua promoção no exterior por meio de um prêmio a um curta-metragem brasileiro. São elegíveis ao Prêmio quaisquer filmes de curta-metragem nacionais com até 15 minutos de duração inscritos e selecionados para exibição no 29º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, desde que não tenham sido feitos em cursos de instituições de ensino de audiovisual, como universidades e oficinas de realização.  O prêmio consiste na concessão de bilhete aéreo e hospedagem para um representante do filme laureado para o “Mercado do Filme Curto”, que ocorre no Festival Internacional de Curtas Metragens de Clermont Ferrand (França). Desde 2013, em parceria com o Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo, foi instituído um novo prêmio especialmente para o formato, que este ano chega à sua quinta edição.
    VENCEDOR:

    Menção Honrosa Itamaraty
     - Copacabana-Auschwitz, de Jaiê Saavedra (RJ)

    Prêmio Itamaraty
     - O Órfão, de Carolina Markowicz (SP)
Prêmios Aquisição
Troféus


  • VENCEDORES:

    Menção Honrosa TV Cultura: 
    A roda das gerações do coco, de Felipe Leal Barquete, Ana Bárbara Ramos da Silva, Manoel Cosmo (PB) e Ana, de Vitória Felipe (SP)

    Borboleta de Ouro:

    Nacional: 
    Ainda Não, de Julia Leite (SP)

    Especial: Rosa Luz, personagem do filme
     Estamos Todos Aquide Rafael Mellim e Coletivo Bodoque (SP)

    Menção Honrosa:
     Ariel Nobre, diretor de Preciso Dizer que te Amo (SP)

    Destaque 
    ABCA: 

    Guaxuma
    de Nara Normande (PE)

    ABD Paulista:
     

    Liberdade
    , de Pedro Nishi e Vinícius Silva (SP)


Favoritos do público
  • O público do Festival, em votações ao final das sessões, elege seus filmes favoritos entre os exibidos nas Mostras Internacional, Latino-americana e Programas Brasileiros. Os dez filmes brasileiros e os dez filmes estrangeiros com maior votação são anunciados na cerimônia de premiação em ordem alfabética e reexibidos no último fim de semana do Festival.

    Nacionais Favoritos do Público:

    A mulher da casa do arco íris
    , de Gilberto Alexandre Sobrinho e Gracia Navarro (SP)
    Catadora de gente, de Mirela Kruel (RS)
    Convite vermelho, de João Victor Almeida (RJ)
    Cor de pele, de Lívia Perini (PE)
    Estamos todos aqui, de Chico Santos, Rafael Mellim (SP)
    Guaxuma, de Nara Normande (PE)
    O Órfão, de Carolina Markowicz (SP)
    Peripatético, de Jéssica Queiroz (SP)
    Preciso dizer que te amo, de Ariel Nobre (SP)
    Tenha um ótimo dia, de Willy Hajli (SP)


    Internacionais Favoritos do Público:

    2a Classe, de Jimmy Olsson (Suécia)
    Artem Silendi, de Frank Ychou (França)
    Fauve, de Jérémy Comte (Canadá)
    Golden Malibu, de Natalia Bermúdez Fierro (México)
    Hair Wolf, de Mariama Diallo (Estados Unidos)
    Mother & Baby, de Mia Mullarkey (Irlanda)
    O Banho Dela”, de Che-Won Park (Coreia do Sul)
    Pantano, de Torfinn Iversen (Noruega)
    Para Meus Filhos, de Shwan Dler Qaradaki (Noruega)
    Rapina”, de Felipe Gálvez (Chile)